Magnetoterapia – Terapia com Ímãs

Equilibrar a energia vital

usando imãs é muito simples, mas as aplicações devem ser feitas corretamente para não provocar mais desconforto ao paciente. Por isso, atente para essas dicas:

Respeite as características de cada pessoa, pois umas são mais sensíveis que outras aos campos magnéticos.

Preste atenção nas reações da pessoa que esta sendo tratada: bocejos, náuseas ou formigamentos são sinais de que as sessões devem ser interrompidas.

Se houver alguma reação forte durante o uso de imãs, neutralize o campo magnético encostando algum objeto de zinco no corpo da pessoa afetada.

Utilize os pólos dos imãs adequadamente para cada tipo de problema. Se tiver duvidas, use primeiro o norte (+) e, se não houver melhora, aplique o sul (-).

Não aplique imãs grandes após refeições, principalmente sobre o abdômen.

Pode haver problemas com portadores de marca-passos e outros dispositivos

O fato é que o campo magnético de um ímã é fortíssimo a contato, mas praticamente zero a uma distância de 1 metro, por exemplo.

Exemplo: tomemos um disco de Neodímio de 22x10mm de grau N35. O campo magnético a contato é da ordem de 4000 Gauss. Mas a uma distância de 30mm, o campo magnético é praticamente nulo.

Tratamento Local:

Quando o problema é bem localizado, como ferimentos ou inflamações na pele, é possível fazer tratamentos locais, aplicando sobre a parte afetada um imã de tamanho adequado para cobrir a região, com o pólo mais indicado voltado para a pele, por duas ou três vezes ao dia, ou então deixe sobre o local, durante horas ou dias, vários imãs pequenos, fixados com esparadrapo. Se houver ferida, os imãs devem ser envolvidos em gaze e depois, fixados no local.

LEMBRE-SE DE QUE O POLO NORTE ACALMA (dispersa) E O POLO SUL ATIVA (tonifica).
Tratamento geral:

Para equilibrar o corpo, prevenir doenças e eliminar distúrbios metabólicos ou problemas que afetam os órgãos internos e grandes áreas do corpo, o tratamento geral bipolar é o mais indicado, pois beneficia o corpo em sua totalidade, interna e externamente.

Para definir a região da aplicação, tenha em mente as informações a seguir:
Se o problema esta localizado na metade superior do corpo (da cintura para cima) basta colocar um imã em cada uma das palmas das mãos do paciente, da seguinte forma: com a pessoa deitada ou sentada, coloque sobre a palma da mão direita o pólo norte (+) e sobre a palma da mão esquerda o pólo sul(-).

Se o problema esta localizado na metade inferior do corpo (da cintura para baixo), coloque a sola do pé direito sobre o pólo norte (+) e a sola do pé esquerdo sobre o pólo sul(-).

Ímãs de Ferrite

A mais antiga referencia a ímã remonta a mais de 2.500 anos, quando lodestones magnéticos foram descobertos e utilizados pelos Gregos, embora outras civilizações também possam ter utilizado estas pedras com magnetismo natural. A palavra ímã na verdade vem do grego ‘Magnetis Lithos’ que significa pedra da “Magnésia” em referencia a área onde as pedras foram encontradas e que hoje é a Turquia.

O primeiro material magnético foi descoberto pelos antigos gregos mais de 2.500 anos atrás!

A composição química dos primeiros ímãs de ferrite foi acidentalmente descoberta por dois cientistas japoneses na década de 1930.

Composição Química

Imãs de ferrite são um tipo de ímã permanente e são feitos de um composto químico de ferrite, que consiste em materiais cerâmicos e óxido de ferro (Fe2O3), a composição química é SrO-6 (Fe2O3). As matérias-primas utilizadas para fabricar ímãs de ferrite são o carbonato de estrôncio e óxido de ferro, cada ímã consiste em cerca de 90% de óxido de ferro e 10% de carbonato de estrôncio.

Ímãs de ferrite são também conhecidos como ímãs de cerâmica devido às suas propriedades de isolamento elétrico e a forma como eles são produzidos. No entanto, a sua força magnética de fixação é muito mais fraca do que os ímãs de neodímio.

  • Eles não enferrujam e não necessitam de qualquer camada protetora..
  • São resistentes à corrosão e podem operar em temperaturas de até 250°C.
  • Vale lembrar que um ímã de neodímio de mesma massa apresenta cerca de 18X mais força do que um ímã de ferrite. Mesmo assim é um dos ímãs mais utilizados no Mundo.
  • Ímãs de Ferrite podem ser fixados em algum lugar utilizando adesivo ou podem ser alojados em materiais como madeira, plástico e metais.

            

 

O Ímã de Neodímio

é um material magnético moderno com excelente concentração de energia e dimensões compactas. As aplicações são infinitas e limitadas apenas pela sua imaginação. Ímãs de Neodímio são conhecidos também como Terras Raras ou Super Ímãs e são utilizados em todos os setores da indústria, comércio, mineração, artes, artesanato, casa, escolas, agricultura, saúde e medicina, prototipagem e muitos outros.

Os ingredientes principais de um ímã de neodímio são neodímio, ferro e boro. O composto químico conhecido como NdFeB. Os ingredientes exatos dependem da grade ou força do ímã que está sendo produzido.

Em algumas grades adicionamos um elemento chamado disprósio, que substitui parte do neodímio – disprósio tem a maior força magnética de todos os elementos e é adicionado para elevar a coercitividade (Positividade, imperativismo) do material e aumentar a sua resistência à desmagnetização e corrosão.

Os Neodímios podem contribuir realizando importantes ações como: Acionar, Fechar, Fixar, Proteger, Flutuar, Posicionar, Pendurar, Expor, Decorar, Separar, Coletar e muito mais.

Alergias
Alguns ímãs de neodímio são niquelado. O níquel é um metal que pode causar uma reação alérgica em algumas pessoas que ficam expostas ao contato prolongado. Na maioria dos casos, estas reações alérgicas, são provocadas por bijuteria contendo níquel. Como precaução evitar o contato prolongado com ímãs niquelados ou evitar totalmente se você já sabe que tem alergia ao níquel.

Algumas dicas sobre a utilização de ímãs de neodímio:

  • Em geral quanto maior a massa maior a força.
  • Ímãs de Neodímio são frágeis, sensíveis a impactos e oxidam facilmente. EVITE IMPACTO, TOME MUITO CUIDADO AO MANUSEAR.
  • Todos os ímãs possuem polo Norte e polo Sul.
  • Entre dois Ímãs alinhe Norte com Sul para obter ATRAÇÃO. Entre dois ímãs alinhe Norte com Norte ou Sul com Sul para obter a REPULSÃO.

 AS MEDIDAS: Todos os nossos ímãs são apresentados em MILÍMETROS.

10 mm = 1 cm

100 mm = 10 cm

1000 mm = 100 cm = 1 metro

 

Todos os nomes de neodímio começam com um “N” de neodímio. O número que vem na sequencia é um pouco mais técnico, pois representa o produto máximo de energia do ímã medido em ‘Mega-Gauss oersteds’ (MGOe). Este é o principal indicador de força de um ímã. Quanto maior o produto máximo de energia maior será o campo magnético gerado para determinada aplicação.

As grades comercialmente disponíveis variam de N30 a N52.

Grade N42 imãs têm um Br de 13.200 Gauss, enquanto N52 imãs podem ser tão elevada como 14.800 Gauss.

A grade do ímã é uma boa medida da força de um imã. Em geral, os números mais altos indicam um ímã mais forte.

Impulsão é quanta força você tem que puxar em um ímã para movê-lo longe de algo, como uma superfície de aço ou de outro ímã.

intensidade do campo magnético é uma medida da força e direção do campo magnético em um determinado ponto perto do imã. É expresso em Gauss ou Tesla (1 Tesla = 10.000 Gauss). Ela depende do tamanho, forma e grau do ímã, em que a medição é realizada, e a presença de quaisquer outras imas ou materiais ferromagnéticos próximos.

Gauss força é medida de magnetismo em homenagem ao matemático alemão Karl Friedrich Gauss (1777-1855), que aplicou os princípios matemáticos ao magnetismo.

Onde comprar Imãs:

http://www.imashop.com.br/imas-de-neodimio

www.xf-magnet.co

Gauss Meter ou Medidor de Gauss

Os medidores de campo magnético (ou Gauss Meters) são utilizados para se medir a densidade de campo magnético na superfície de um ímã. Esta é definida como campo magnético superficial e é medida em Gauss (ou Tesla). A ITAL comercializa Gauss Meters que medem até 40.000 Gauss. Alternativamente pode-se medir a força magnética de um ímã através de dispositivos específicos. Neste caso a medida pode ser obtida em kilos ou gramas.

Um medidor de Gauss é usado para medir a densidade do fluxo (Gauss) de um ímã. Um medidor de Gauss tem uma sonda hall, que quando colocado em um polo magnético exibe o número de linhas de magnetismo dentro de cada área cm² do polo.

Magnetoterapia

Quais ímãs são utilizados em Tratamentos de Magnetoterapia?

Uma vasta gama de ímãs pode ser utilizada na magnetoterapia. Desde pequenos discos de Neodímio até blocos maiores, dependendo do tamanho da área a ser tratada. O ideal é selecionar o tamanho do ímã em função do tamanho da área que se deseja atuar.

Peso – É o peso próprio de um determinado imã.

Polaridade – é a característica de um polo em particular numa particular localização de um ímã permanente. Diferencia o polo norte do polo sul de um ímã permanente.

Polo Magnético – Uma área onde as linhas de fluxo magnético são concentradas.

Polo Norte – o polo Norte de um ímã é aquele que é atraído pelo polo norte magnético da Terra. Este polo que busca o norte é identificado pela letra N. Por convenção, as linhas de fluxo magnético partem do polo norte em direção ao polo sul.

Polo Sul (South Pole do inglês) – O polo Sul de um ímã é o polo magnético que é atraído pelo polo Sul da Terra.  Este polo que busca o sul é identificado pela le
tra S. Por convenção universalmente aceita, as linhas de fluxo magnético partem do polo norte em direção ao polo sul.

 

História do Imã

O Pastor Magnes

A lenda mais popular para a descoberta de ímãs é a de um idoso pastor chamado Magnes de Creta.

Conta à lenda que na antiga Grécia existia um pastor de ovelhas chamado Magnes. Um dia enquanto cuidava de suas ovelhas sentiu uma estanha força que vinha do chão de onde ele pisava. Essa força puxava os pregos de sua sandália e a ponta de seu cajado. Então Magnes resolveu cavar o solo para saber o que tinha ali em baixo. Ele encontrou uma estranha pedra preta. Magnes procurou os homens sábios da cidade e mostrou para eles a pedra que havia encontrado. Eles estudaram a estranha pedra e resolveram chama-la de Magnetita em homenagem ao pastor Magnes.

O Grego e Chinês

A primeira descoberta das propriedades de magneto ou era pelos gregos ou chineses. Histórias de magnetismo data de volta para o primeiro século aC nos escritos de Lucrécio e Plínio Velho (23-79 dC Romano). Plínio escreveu de uma colina perto do rio Indus, que foi inteiramente feito de uma pedra que atraiu ferro.

Ele mencionou os poderes mágicos da magnetita em seus escritos. Por muitos anos após a sua descoberta, a magnetita foi cercada de superstição e foi considerado por possuir poderes mágicos, como a capacidade de curar os doentes, espantar maus espíritos e atrair e dissolver navios de ferro!

As pessoas acreditavam que havia ilhas inteiras de natureza magnética que poderiam atrair navios em virtude de serem usados pregos de ferro na sua construção.

Navios que desapareceram no mar, assim se acreditava ter sido misteriosamente puxado por estas ilhas.

 

Arquimedes é suposto ter usado pequenos pedaços de magnetitas para remover unhas de navios inimigos, assim, afundando-los.

As pessoas logo perceberam que a magnetita não apenas são objetos atraídos feitos de ferro, mas quando feito na forma de uma agulha, flutuam sobre a água, magnetita sempre apontado em uma direção norte-sul criando uma bússola primitiva. Isso levou a um nome alternativo para a magnetita, o de magnetita ou “pedra principal”.

Por muitos anos após a descoberta do magnetismo, a magnetita foi apenas um fenômeno curioso natural. Os chineses desenvolveram bússola do marinheiro cerca de 4.500 anos atrás. A primeira bússola marinheiro composto por uma lasca de magnetita cuidadosamente flutuava sobre a tensão superficial da água.

Descobertas precoces

Peregrinus & Gilbert Peter Peregrinus é creditado com a primeira tentativa de separar o fato da superstição em 1269. Peregrinus escreveu uma carta descrevendo tudo o que se sabia, na época, a cerca de magnetita. Diz-se que ele fez isso enquanto estava de guarda do lado de fora das paredes de Lucera que estava sob cerco. Enquanto as pessoas estavam morrendo de fome dentro das muralhas, Peter Peregrinus foi um estudioso francês do século 13, que realizou experimentos sobre magnetismo e escreveu o primeiro tratado existente sobre as propriedades dos ímãs. Seu trabalho se destaca ainda pela primeira descrição detalhada de uma bússola.

No entanto, o progresso significativo foi feito apenas com as experiências de William Gilbert em 1600 na compreensão do magnetismo. Foi Gilbert quem primeiro percebeu que a Terra era um ímã gigante e que os ímãs poderiam ser feitas por bater em ferro forjado. Também descobriu que o aquecimento resultou na perda de magnetismo induzido.

Oersted e Maxwell

Em 1820, Hans Christian Oersted (1777-1851 dinamarquês), demonstrou que o magnetismo estava relacionado à energia elétrica, trazendo um fio carregando uma corrente elétrica perto de uma bússola magnética, que causou uma deflexão da agulha da bússola. Sabe-se agora que, quando a corrente flui, haverá um campo magnético associado no espaço circundante, ou, mais geralmente, que o movimento de qualquer partícula carregada vai produzir um campo magnético.

Hans Christian Oerstede (1777 – 1851)

Eventualmente, ele foi James Clerk Maxwell (1831-1879 escocês), que estabeleceu sem dúvida as inter-relações entre eletricidade e magnetismo e promulgou uma série de equações aparentemente simples que são à base da teoria eletromagnética. O que é mais notável é que Maxwell desenvolveu suas idéias em 1862 mais de 30 anos antes de J. Thomson descobriu o elétron em 1897, a partícula que é tão fundamental para a compreensão atual de eletricidade e magnetismo.

Como funcionam os ímãs!

Um ímã é um objeto que tem um campo magnético. Ele atrai objetos ferrosos como pedaços de ferro, aço, níquel e cobalto. Nos primeiros dias, os gregos observaram que a ocorrência natural ‘ímã’ atrai pedaços de ferro. Daquele dia em diante começou a jornada para a descoberta dos ímãs.

Esses ímãs dia são feitas artificialmente em várias formas e tamanhos, dependendo da sua utilização. Um dos ímãs mais comuns – o ímã de barra – é uma barra longa e retangular de seção transversal uniforme que atrai pedaços de objetos ferrosos. A agulha da bússola magnética também é comumente usado.

A agulha da bússola é um pequeno ímã que é livre para se mover horizontalmente sobre um pivô.

Uma das extremidades dos pontos da bússola agulha na direção norte e os pontos finais outros na direção do Sul.

O fim de um ímã pivotado livremente sempre apontar na direção Norte-Sul.

Pólos magnéticos

O final que aponta o Norte é chamado de o Pólo Norte do ímã e no final que aponta Sul é chamado de pólo sul do ímã. Tem sido provado através de experimentos que gostam pólos magnéticos repelem enquanto pólos opostos se atraem.

Campo Magnético

O que é um campo magnético?

O espaço em volta de um magneto, em que a força magnética é exercida, é chamado um campo magnético. Se um ímã de barra é colocado em um campo, ele vai experimentar forças magnéticas. No entanto, o campo continuará a existir mesmo se o ímã é removido.

A direção do campo magnético em um ponto é o sentido da força resultante atuando sobre um pólo norte hipotética colocada nesse ponto.

Como é um campo magnético criado?

Quando a corrente flui em um fio, um campo magnético é criado em torno do arame. A partir disso, foi inferido que os campos magnéticos são produzidos pelo movimento de cargas eléctricas. Um campo magnético de um íman em barra, assim, resulta do movimento de electrões de carga negativa no íman.

Linhas de força magnética

Da mesma maneira que um campo eléctrico é descrito desenhando as linhas eléctricas de força, do mesmo modo, um campo magnético é descrito pelo desenho das linhas de força magnéticas. Quando um polo norte magnético pequeno é colocado no campo magnético criado por um magnete, irá experimentar uma força.

E se o Pólo Norte é livre, ele vai passar sob a influência do campo magnético. O caminho percorrido por um pólo norte magnético livre para se mover sob a influência de um campo magnético é chamado de linha de força magnética. Em outras palavras, as linhas magnéticas de força são as linhas desenhadas em um campo magnético ao longo do qual um polo norte magnético se move.

A direção de uma linha de força magnética em qualquer ponto indica a direção da força magnética sobre um pólo norte colocada nesse ponto. Uma vez que a direção da linha de força magnética é a direção da força em um pólo norte, para que as linhas magnéticas de força sempre começam no N-pólo de um íman e termina em S-pólo do íman. Um pequeno compasso magnético quando se mudou ao longo de uma linha de força sempre define-se ao longo da linha tangente a ele. Assim, uma linha traçada a partir do pólo sul da bússola para o seu Pólo Norte indica a direção do campo magnético.

O que é um ímã?

Um objeto feito de certos materiais que criam um campo magnético.

O nome de “imã” foi utilizado pela primeira vez pelos gregos, já em 600 aC para descrever uma misteriosa pedra que atraiu peças de ferro e outros do mesmo material.  De acordo com uma lenda grega, o ímã nome foi retirado dos Magnes pastor que descobriu a pedra magnética por acidente, quando sua equipe foi misteriosamente atraído para a força da pedra. Outra, e talvez mais verossímil, a teoria diz que o ímã palavra veio de uma cidade na Ásia Menor, chamada Magnésia, onde muitas destas misteriosas pedras magnéticas foram encontrados.

Durante a Idade Média, esta pedra se tornou conhecido como magnetita, que é a forma magnética de magnetita. Hoje, os ímãs estão disponíveis em todos os tipos de formas, incluindo discos, anéis, blocos, retângulos, arcos, barras, e bares. Eles são feitos a partir de materiais, tais como cerâmica (ferrite de estrôncio), alnico (alumínio, níquel e cobalto), terras raras (samário cobalto e neodímio), e flexível, material semelhante a borracha.

Os polos do imã

Um imã possui sempre dois polos. Ou seja, um imã é dipolo. Quando um imã fica suspenso no ar por um barbante, por exemplo, ele sempre acaba se direcionando na direção norte-sul com relação ao planeta Terra. Por isto, seus polos são chamados também de norte e de sul. O polo norte do planeta Terra tem a mesma direção do polo norte do imã. O polo sul do planeta Terra tem a mesma direção do polo sul do imã. Por isto conseguimos nos localizar através de uma bussola, por exemplo. Quando o imã da bussola se alinhar com o norte que esta indicado nela estaremos indo na direção norte do planeta Terra.

Se um polo de um imã for igual ao polo de outro imã, estes iram se repelir.

Por exemplo: não adianta tentar juntar dois imãs pelo polo norte de ambos. Eles irão se repelir.

Outro ponto importante sobre um imã: pode ser natural ou artificial. Um imã natural são minerais que já possuem características magnéticas. Neste caso são feitos de magnetitas.

Um imã artificial é construído através de um processo chamado de imantação. Quando colocamos um corpo ferromagnético dentro de um tipo de bobina elétrica com correntes de grande intensidade passando por ele, este adquire um campo magnético e se torna em um imã. Um imã pode perder suas propriedades caso seja muito aquecido. Esta temperatura que faz um imã perder suas propriedades é a conhecida “temperatura Curie”. Cada imã tem uma “temperatura Curie” própria, pois, depende muito das substâncias que o compõem. Estas foram algumas informações que considero importante para se ter uma ideia do que é um imã.

3 comments

  1. Buenas

    Muy motivante tu redaccion y hay muchas informacion que no conocia que me has enseñado, esta maravilloso..
    te queria devolver el tiempo que dedicaste, con unas infinitas gracias, por instruir a
    personas como yo jajaja.

    Saludos

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*